segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A Africa tem um novo país,Sudão do Sul

Chegou a hora de Salva Kiir Mayardit no Sudão do Sul, depois do anúncio de que 99% no Sul e 58% no Norte votaram pela separação.
Embora o processo de votação só terminasse em 15 de janeiro, foi feita a apuração com sumo cuidado e numerosas revisões, para que se anunciasse neste domingo [ontem] o resultado que se esperava:99% dos habitantes do Sudão do Sul votaram pela independência em relação ao Sudão do Norte, onde a porcentagem também foi majoritária, com 58% dos votos a favor da separação.
O acordo de paz firmado entre o Norte (muçulmano) e o Sul (cristão) em 2005 determina que, por meio de um referendo, em julho se dará a criação efetiva de um novo Estado, com o que se porá fim a uma guerra civil de quase um quarto de século, que deixou milhões de mortos e deixou clara a incompatibilidade entre duas culturas segregadas territorialmente.
O atual vice-presidente do Sudão e presidente do Sudão do Sul (região autônoma desde 2005) será o novo chefe de Estado. Salva Kiir Mayardit tem 60 anos, é casado, tem oito filhos, é católico, e no site de sua campanha presidencial se apresenta como "um devoto cristão" com um longo histórico como guerrilheiro e militar. A trajetória que o levou até aqui teve uma frase como emblema: "Neste referendo a escolha é entre ser um cidadão de segunda em teu próprio país, ou ser um homem livre em um estado independente".
Fonte: Religión en Libertad
Tradução: OBLATVS

Rezemos para este novo presidente, de um país completamente novo, possa ter sabedoria e força nescessárias para levar adiante este grande desafio; porque esta região é marcada por grandes conflitos armados e muita perseguição aos cristãos.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Associação Movimento da Transfiguração


     No final do ano passado o Movimento da Transfiguração realizou um processo de discernimento para planejar os seus trabalhos para o ano de 2011. Foi um processo de busca da vontade de Deus através da oração, escuta da palavra de Deus e consulta a todos os membros do Movimento para, desta forma, chegar a um planejamento das nossas metas e atividades.
     Uma das resolução deste planejamento foi a constituição de uma Associação . A Associação será o meio legal para que, aqueles que desejam associar-se, possam colaborar mensalmente com o Movimento, para sua manutenção e para podermos dar os passos que percebemos hoje ser da vontade de Deus para nosso futuro como Movimento. Durante esses dias, um pequeno grupo de advogados, que fazem parte do Movimento, reuniu-se e trabalhou para redigir um Estatuto condizente com nossa realidade e de acordo com as leis do nosso país.
     A reunião de fundação será dia 01 de fevereiro, na Paróquia São José. Peço a todos que rezem bastante nesta intenção, pois creio que esta iniciativa terá uma grande influência em todas as nossas decisões futuras. Posteriormente, daremos mais informações sobre a Associação e a forma como cada um poderá associar-se.
     Para maiores informações sobre o Movimento da Transfiguração, clique aqui

sábado, 29 de janeiro de 2011

Reino do Butão poderá se abrir à presença de missionários católicos

    
    
    As notícias relativas a uma possível abertura do reino budista do Butão à fé cristã despertaram muita atenção, curiosidade e interesse no mundo missionário. Atualmente no Butão somente são permitidas as religiões Budista e Hinduísta; mas nas últimas semanas, Chhoedey Lhentshog, representante governamental para a supervisão de organizações religiosas, afirmou que os grupos cristãos poderão se registrar oficialmente junto às autoridades. Missionários católicos disseram à [agência] Fides que "estão prontos para partir e começar uma comunidade de fé no país, lançar a semente do Evangelho mesmo lá".
    O padre Arul Raj, missionário dos Oblatos de Maria Imaculada (OMI), que vive em Chennai (Tamil Nadu, Índia) é o fundador de dois institutos religiosos: um feminino, a "Sociedade das Filhas de Maria Imaculada" (DMI), e um masculino, a "Sociedade dos Missionários de Maria Imaculada" (MMI). Os dois institutos, da Índia meridional, abriram várias comunidades em outros cinco estados na Índia setentrional, e na fronteira com Nepal e Butão. Padre Arul disse à Fides: "Estamos prontos a abrir comunidades de homens e mulheres no Butão. Não conhecemos bem o território, mas se as autoridades o permitirem, e nós tivermos as condições necessárias, começaremos prontamente nossas atividades. Alegra-nos poder responder deste modo ao apelo do Papa em sua Mensagem pelo Dia Mundial das Missões".
   O estilo evangelizador e o carisma missionário das duas comunidades é perfeitamente adequado ao contexto do Butão: na Índia as irmãs trabalham particularmente pela promoção das mulheres, criando grupos de auxílio recíproco para mulheres pobres nas mais remotas áreas, e para seus filhos (na Índia assistem ao menos 20 mil); os missionários trabalham com os jovens em programas educacionais em colégios mantidos pelo Instituto, principalmente em engenharia e ciência da computação (mais de 8 mil estudantes).
Na medida em que se realizam as atividades, os missionários testemunham os "valores evangélicos do amor, perdão, partilha, unidade e solidariedade, permitindo-lhes crescer e florescer em seus corações". Eles não promovem conversões abertamente, mas manifestam claramente sua identidade cristã no trabalho e na vida cristã", explica.oração. Desta forma, disse Pe. Arul à Fides, "não temos problemas com os diversos grupos hindus na Índia, nem sofremos acusações de conversões em massa". Mas "muitos dos jovens e mulheres que participam de nossos programas, pedem espontaneamente para abraçar a fé.
Notícia retirada do blog Oblatvs.   

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Memórias de um ex-guarda-costas de João Paulo II

Segue abaixo uma excelente repostagem com o ex-guarda-costas de João Paulo II, retirado da agência de notícias: ZENIT:

Por Edward Pentin
ROMA, quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) – Durante 12 anos, o ex-capitão da guarda suíça Roman Fringeli foi treinado e preparado para dar a vida pelo Papa.
De 1987 a 1999, ele protegeu o futuro beato João Paulo II como um de seus cinco guarda-costas pessoais nas viagens papais. Este período compreendeu 15 viagens apostólicas a Asia, Europa, África y América.
Durante três anos e meio deste período, Fringeli liderou o contingente de guardas suíços que acompanhava João Paulo II quando este viajava ao exterior. “Diante de uma necessidade das circunstâncias, eu teria dado minha vida pelo Papa”, afirmou. “Este era sempre meu pensamento quando viajávamos”.
Natural da Basileia, norte da Suíça, Fringeli deixou a força oficial há cerca de 10 anos. Mas seu entusiasmo permanece e ele está disposto a compartilhar suas felizes e às vezes angustiantes experiências.
Ele recorda vivamente como lutaram com grande trabalho para conter uma multidão em Nairobi, como gritaram com os militares em Moçambique para que evitassem que uma grande massa de gente se aproximasse demais do Papa e como enfrentaram a difícil tarefa de proteger o Papa diante de um milhão de pessoas em Seul.
“Recordo Ruanda, durante uma missa, tivemos um aviso de um ataque terrorista aéreo”, conta. “Pode imaginar? Justamente ali, havia quatro anos, tinha acontecido o genocídio”.
Em outra viagem, estando com o Papa em voo charter, o avião fez três tentativas de aterrissar, por causa da neblina. Depois de ser desviado a Johannesburgo, o contingente do Papa teve de viajar de carro para Lesotho, para chegar ali ao som de tiros das forças especiais, que tinham resgatado um grupo de reféns.
O Papa João Paulo II, que tinha ido a Maseru para beatificar o sacerdote missionário Joseph Gérard, visitou depois alguns feridos no hospital. “Foi uma viagem especial e terrível. João Paulo II queria oferecer uma mensagem de paz e o fez”, relata Fringeli.
Mas talvez sua visita mais problemática foi em Berlim, em 1996. Grupos de anarquistas protestavam de forma selvagem, lançando objetos no papa-móvel, enquanto outros desfilavam nus enquanto o Papa passava.
“De repente, essa gente começou a lançar bolas vermelhas cheias de tinta nas janelas do papa-móvel”. Fringeli recorda que estava atrás do veículo papal, tentando afastar os manifestantes. “Senti-me envergonhado da Alemanha pelo que aconteceu. A polícia permitiu que a multidão se aproximasse demais do papa-móvel”.
Bento XVI visitará Berlim em setembro e alguns estão preocupados com a possibilidade de que esse evento se repita. “Nunca se sabe o que acontecerá em Berlim”, disse Fringeli. “Pode aparecer mais uma vez gente louca, mas Bento XVI é alemão e isso pode ajudar, também talvez a polícia faça melhor o seu trabalho, controlando as multidões”.
Fringeli também disse que o surpreendeu ver que a polícia alemã parecia assustada por ter de frear a multidão. “Eles não queriam tocá-los”.
Mas na África, Fringeli viu que a segurança local pode ser excessiva. Na viagem que João Paulo II fez a Iaundé, capital de Camarões, em 1995, ele recorda ver um homem com deficiência mental que estava perambulando em frente ao papa-móvel. A polícia o arrastou “como se fosse um saco de batatas”, jogando-o na multidão.
Nem revólver nem colete
A proteção que o Vaticano dá ao Papa durante as viagens consiste em dois guardas suíços à paisana, um capitão e um cabo, além de três policiais do Vaticano. O restante da proteção fica com as autoridades locais.
Durante seu período de serviço, Fringeli não usava colete à prova de balas nem revólver. “Que você pode fazer com uma pistola na frente de uma multidão?” “Poderia matar pessoas, e o mesmo acontece na basílica da praça de São Pedro ou em uma audiência”.
Em vez disso, ele confiava muito em sua perspicácia visual e no treinamento pessoal. O ex-guarda nos mostrou uma foto sua vestido em traje preto, caminhando ao lado de João Paulo II, em uma visita à Romênia, com os olhos fixos na multidão.
“Sempre estava observando com precisão, buscando um movimento repentino, alguém correndo ou saltando por cima das linhas de segurança; essa era minha tarefa”.
Ao ser questionado sobre a falha de segurança que houve na basílica de São Pedro no Natal de 2009, quando uma mulher saltou em direção ao Papa, ele destaca o quão inesperado pode ser algo assim.
“Você precisa saber o que está acontecendo em questão de segundo”. “Normalmente, isso é responsabilidade da pessoa que está ao lado do Papa, mas nesta ocasião tudo aconteceu muito rápido”. Apesar de tudo, Fringeli afirma que a segurança do Vaticano é muito boa.
O ex-guarda tem muitas boas recordações de Wojtyla e está encantado com a notícia de sua beatificação. “Para mim, João Paulo II foi um Papa santo, como todos os papas nos dois ou três últimos séculos”, disse.
Ele conta que João Paulo II sempre dizia que Nossa Senhora o protegia e que colocou sua sobrevivência nas mãos da Virgem desde o atentado de 1981.
“Foi um mensageiro da paz”, disse. “Alguns diziam que teria sido melhor se ele tivesse estado mais tempo no Vaticano e não viajando tanto, mas para o Papa não eram viagens de lazer, ele tinha uma agenda muito apertada, que durava o dia inteiro”.
Fringeli lembra um outro episódio, em que centenas de pessoas caminharam durante vários dias, de Zâmbia até o Zimbabue, para ver Wojtyla. As 104 viagens que João Paulo II fez fora da Itália estavam dedicadas a essas pessoas, especialmente de países pobres, que nunca poderiam ir a Roma.
O ex-guarda conta com carinho como João Paulo II sempre agradecia sua equipe de segurança ao final de cada viagem. Quando era mais jovem, frequentemente realizava passeios espontâneos, que nem sempre ganhavam a simpatia dos guarda-costas. “Não era fácil viajar com o Papa, porque não sabíamos o que ele faria fora do programa”. “Mas a experiência ajudava muito”.
Apesar das obrigações das viagens papais, Fringeli se sentia muito satisfeito e seu entusiasmo nunca diminuía. “Era estranho. Durante a viagem nos cansávamos muito, mas ao final sempre pensávamos: quando será a próxima?”
Ele rende homenagem a duas figuras chave das viagens apostólicas: o cardeal Roberto Tucci, organizador das viagens longas, a quem define como “um grande, grande homem”, e Camilo Cibin, o último guarda-costas da polícia vaticana, que protegeu o Papa até este completar 80 anos.
“Sem nenhum dos dois – disse – o Papa não teria sido capaz de fazer nenhuma de suas viagens.”

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações Sociais

Segue abaixo a mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações Sociais na íntegra:


Verdade, anúncio e autenticidade de vida, na era digital
Queridos irmãos e irmãs!

    Por ocasião do XLV Dia Mundial das Comunicações Sociais, desejo partilhar algumas reflexões, motivadas por um fenómeno característico do nosso tempo: a difusão da comunicação através da rede internet. Vai-se tornando cada vez mais comum a convicção de que, tal como a revolução industrial produziu uma mudança profunda na sociedade através das novidades inseridas no ciclo de produção e na vida dos trabalhadores, também hoje a profunda transformação operada no campo das comunicações guia o fluxo de grandes mudanças culturais e sociais. As novas tecnologias estão a mudar não só o modo de comunicar, mas a própria comunicação em si mesma, podendo-se afirmar que estamos perante uma ampla transformação cultural. Com este modo de difundir informações e conhecimentos, está a nascer uma nova maneira de aprender e pensar, com oportunidades inéditas de estabelecer relações e de construir comunhão.
    Aparecem em perspectiva metas até há pouco tempo impensáveis, que nos deixam maravilhados com as possibilidades oferecidas pelos novos meios e, ao mesmo tempo, impõem de modo cada vez mais premente uma reflexão séria acerca do sentido da comunicação na era digital. Isto é particularmente evidente quando nos confrontamos com as extraordinárias potencialidades da rede internet e a complexidade das suas aplicações. Como qualquer outro fruto do engenho humano, as novas tecnologias da comunicação pedem para ser postas ao serviço do bem integral da pessoa e da humanidade inteira. Usadas sabiamente, podem contribuir para satisfazer o desejo de sentido, verdade e unidade que permanece a aspiração mais profunda do ser humano.
Para ler a continuação desta Mensagem, clique aqui

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Livro do Papa chega a um milhão de exemplares vendidos


   O livro de Bento XVI livro-entrevista "Luz do Mundo, organizado pelo jornalista alemão, Peter Seewald, já fio traduzido em várias línguas.
    De acordo com informações do L'Osservatore Romano, a versão italiana do livro já esgotou a primeira edição de 50 mil cópias e a segunda já foi totalmente encomendada. O periódico informou também que a edição de língua inglesa, com 100 mil cópias, a francesa, com 80 mil cópias, e a alemã, com 200 mil cópias, alcançaram o mesmo sucesso. O jornal afirmou ainda que o sucesso pode ser maior, pois há negociações para publicar a obra em mais 11 idiomas.
    Espero que entre estas 11 línguas esteja o Português, e mais especificamente em Português do Brasil, porque o livro já esta sendo comercializado desde novembro do ano passado e nenhum sinal dele no Brasil.

domingo, 23 de janeiro de 2011

Benção dos cordeiros de Santa Inês

    Dia 21 de janeiro, o Papa Bento XVI participou de uma celebração bastante tradicional e simbólica. Na festa de Santa Inês existe a tradição do Papa abençoar os “cordeiros de Inês”. São apresentados ao Papa dois cordeiros com menos de um ano de idade para serem abençoados. Posteriormente, são entregues às Irmãs de Santa Cecília, que cuidarão deles até que seja oportuno tosquiá-los. A lã será utilizada para tecer os Pálios que o Papa entregará aos novos Arcebispos metropolitanos.
    Veja abaixo um video que, apesar de ser narrado em inglês, mostra o momento da benção dos cordeiros:

video

sábado, 22 de janeiro de 2011

Palavras do bispo de Petrópolis

    As palavras abaixo são de um homem de fé, um autêntico pastor de sua Igreja, que lê os acontecimentos à luz da fé, mesmo percebendo com realismo todas as implicações sociais e governamentais da tragédia ocorrida na região serrana do Rio de Janeiro:



AS FERIDAS ABERTAS

   A realidade desta catástrofe é mais dura de quanto aparece nas imagens da TV e na imprensa. A destruição é dramática como se um terremoto tivesse passado no Vale de Cuiabá em Petrópolis, em São José do Vale do Rio Preto, Areal, em Teresópolis (Caleme, Campo Grande, Pessegueiros Cruzeiro, Santa Rita, Bonsucesso, Vieira) e Nova Friburgo. Mais de 750 pessoas, até este momento, perderam a vida; muitos são os desabrigados e os dispersos e a natureza ficou destruída.
   As análises mais imediatas acusam a ocupação irresponsável das encostas e a falta de planejamento urbano para a moradia de pessoas pobres que moram em lugares de risco.
É evidente também a agressão à natureza ao longo dos anos. Estamos diante do maior desastre ocorrido na história do Brasil. Mas estas observações não nos consolam nem nos satisfazem. É fácil identificar os réus do momento e ficar com a consciência acomodada, voltando à rotina quotidiana sem uma verdadeira mudança.
   O drama é mais a fundo e nos coloca diante do mistério da nossa existência e da nossa fragilidade, do limite e do mal. O drama nos sacode, provoca a solidariedade e levanta as perguntas mais radicais que a nossa sociedade normalmente censura.
   Durante o desastre todas as igrejas e igrejinhas da região ficaram de pé, mesmo sendo invadidas pela lama. É um sinal simples da cruz de Cristo que vive no meio do drama dos homens participando do seu sofrimento. Com efeito, Jesus entrou no abismo da morte tornando-se companheiro de todos os que perdem a vida, abrindo as portas da esperança. È preciso mesmo alguém que entre no âmago da morte e da vida para sustentar a esperança; e este é Jesus nosso Salvador, morto e ressuscitado.
  “Nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potências, nem a altura, nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus que está no Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 8, 38-39).
    Na noite, na lama, na chuva Ele não nos abandona. Na ferida dolorosa deste dias Ele está presente como bálsamo de infinito amor que sustenta a disponibilidade a servir e o ímpeto grandioso da solidariedade que se está manifestando nestes dias. Visitando os sobreviventes desta região é visível a sua fé que sustenta a dor e acolhe a ajuda generosa de amigos e desconhecidos.
    Uma igreja, perto de São José do Vale do Rio Preto, foi invadida pela água que havia chegado até o sacrário; um jovem ministro da eucaristia foi nadando, recuperou o Santíssimo e segurando-o com uma mão, enquanto com a outra nadava, o colocou em salvo. Junto com a graça de Deus é necessária a nossa iniciativa em reconhecer o Senhor e em trabalhar na solidariedade com todos, sem discriminar ninguém, dando um novo sentido à normalidade da vida. O dever da reconstrução cabe a todos nós em parceria com o Estado e os poderes públicos para prevenir outros desastres e providenciar um planejamento urbano responsável.
   Mas a ferida dos mortos quem a curará? Exatamente esta ferida é abraçada pelo amor de Cristo que vive no sacrário como no seu corpo que é a Igreja e nos ensina a deixar-nos tocar pelos fatos, a ser solidários, a anunciar a sua presença. Seria triste deixar-se arrastar pela avalanche da rotina e virar página, talvez esperando o próximo carnaval! A grande provação destes dias nos ensina a reconstruir as cidades devastadas e a retomar com um significado novo o quotidiano, especialmente quando os holofotes serão apagados.

Dom Filippo Santoro

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Durante anos esperei ser Católico


    “Durante anos esperei ser católico”. Esta é a declaração do ex bispo anglicano após sua ordenação sacerdotal (Católica) no sábado, 15 de janeiro, na Catedral de Westminster. Ele é o novo Ordinário desta nova realidade eclesial, criada por Bento XVI, na qual os anglicanos poderão retornar, em grupo, para a Igreja Católica. Sua declaração completa foi: 
    "Desejei durante anos me converter em católico; e uma pessoa não se converte ao catolicismo porque não gosta de algumas coisas da comunhão anglicana, mas unicamente porque quer ser católico".
As três Ordenações tiveram uma grande repercussão mundial, por serem profundamente simbólicas: podem ser o passo fundamental para que mais de 20 bispos anglicanos, até 1000 padres e um número que não dá para calcular de leigos também retornem para a Igreja Católica.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Ajuda da Igreja para as vitimas do sudeste brasileiro


    Até o momento, segundo dados oficiais levantados pela Cáritas Brasileira, as doações em dinheiro depositadas na conta da entidade já somam 300 mil reais. Além da Cáritas Brasileira, estão empenhadas em campanhas para ajudar as vítimas do sudeste brasileiro, as Cáritas Alemã, que já doou 50 mil euros; a Portuguesa [50 mil euros]; a Suiça [50 mil euros]. A Cáritas da Espanha, assim como da Itália, também manifestaram apoio, mas até o momento não confirmaram a quantia com que irão contribuir. Alem da Caritas, que é a instituição da Igreja Católica responsável pelas obras sócias, foi enviada uma grande doação de 1 milhão de Euros da Conferência Episcopal Italiana.
    Se você desejar ajudar – por um meio confiável e bastante competente – os desabrigados destas regiões, veja abaixo os números das contas bancarias:

Para doações em dinheiro:

Campanha “SOS Sudeste” (CNBB e Cáritas Brasileira)
Caixa Econômica Federal (CEF)
Agência 1041 – OP. 003
Conta Corrente 1490-8

ou

Banco do Brasil
Agência 3475-4
Conta Corrente 32.000-5.

Campanha SOS Serra Petrópolis
Mitra Diocesana de Petrópolis,
Agência 401-4, Bradesco,
Conta corrente 114134-1

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Como foi realizado o processo de beatificação de João Paulo II


Muitas pessoas desejam saber como se realiza um processo de beatificação, especialmente o de João Paulo II, que foi dispensado, pelo Papa Bento XVI, dos cinco anos de espera, o que não é o comum nos processos de beatificação. Abaixo temos uma nota informativa da Congregação para as Causas dos Santos, sobre os passos do processo de João Paulo II:
A congregação esclarece que "a causa, por dispensa pontifícia, começou antes de passarem cinco anos da morte do servo de Deus, como é exigido pela normativa vigente".
"Esta medida foi solicitada pela imponente fama de santidade que João Paulo II teve em vida, na morte e depois da morte. No mais, todas as disposições canônicas comuns das causas de beatificação e canonização foram observadas integralmente".
"De junho de 2005 a abril de 2007, foi realizada a investigação diocesana principal romana e as rogatoriais em várias dioceses, sobre a vida, as virtudes, a fama de santidade e os milagres".
"A validade jurídica dos processos canônicos foi reconhecida pela Congregação para as Causas dos Santos com o Decreto de 4 de maio de 2007".
"Em junho de 2009, examinada a Positio, nove consultores teólogos da Congregação deram parecer positivo ao heroísmo das virtudes do servo de Deus. Em novembro, seguindo o procedimento habitual, a mesma Positio foi submetida ao juízo dos cardeais e bispos da Congregação para as Causas dos Santos, cuja sentença foi afirmativa".
"Em 19 de dezembro de 2009, o Sumo Pontífice Bento XVI autorizou a promulgação do decreto sobre a heroicidade das virtudes".
"Em vista da beatificação do venerável servo de Deus, a postulação da causa apresentou para exame da Congregação para as Causas dos Santos a cura do "mal de Parkinson" da irmã Marie Simon Pierre, religiosa das Irmãzinhas das Maternidades Católicas ( O milagre que permitirá a beatificação de João Paulo II).
"Como de praxe, as numerosas atas da investigação canônica, regularmente instruída, junto com os detalhados exames médico-legais, foram submetidos ao exame científico da Consulta Médica da Congregação para as Causas dos Santos, em 21 de outubro de 2010. Os peritos, depois de estudarem com a habitual minúcia os testemunhos processuais e toda a documentação, concluíram que a cura era cientificamente inexplicável".
"Os consultores teólogos, depois de revisadas as conclusões médicas, iniciaram em 14 de dezembro de 2010 a ponderação teológica do caso. Reconheceram por unanimidade a unicidade, a antecedência e a invocação coral dirigida ao Servo de Deus João Paulo II, cuja intercessão tinha sido eficaz para a cura milagrosa".
"Por último, em 11 de janeiro de 2011, ocorreu a sessão ordinária de cardeais e bispos da Congregação para as Causas dos Santos, que emitiu um parecer unânime e afirmativo, considerando milagrosa a cura da irmã Marie Simon Pierre, como realizada por Deus de modo cientificamente inexplicável, depois de rogada a intercessão do Papa João Paulo II, invocado com confiança tanto pela pessoa curada como por muitos outros fiéis".

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Bento XVI envia telegrama às vítimas das enchentes do Rio de Janeiro


    O telegrama do Papa foi enviado via Secretario de Estado do Vaticano, Cardeal Tarcisio Bertone, ao povo do Rio de Janeiro:
    “Consternado com as trágicas consequências das fortes chuvas que atingiram a região serrana do Estado do Rio de Janeiro, particularmente as cidades de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo, Sua Santidade o Papa Bento XVI pede a vossa excelência que transmita a certeza da sua solidariedade espiritual ao querido povo fluminense, nessa hora difícil. Recomenda as vítimas a Deus misericordioso e implora a assistência e consolação divina para os desalojados e quantos sofrem física e moralmente, enviando-lhes uma propiciadora bênção apostólica”.
Cardeal Tarcisio Bertone
Secretário de Estado de Sua Santidade

domingo, 16 de janeiro de 2011

Ordenação de ex-bispos anglicanos na Igreja Católica

    Como temos acompanhado em várias postagens, bispos, padres e leigos da Igreja Anglicana estão retornando a Igreja Católica. Dia 15, sábado, foi realizada a primeira ordenação de três ex-bispos anglicanos, como padres da Igreja Católica. Abaixo vai um resumo do histórico dos acontecimentos, para que possamos enteder melhor. Este resumo foi retirado do blog OBLATVS:
    "A chamada Igreja da Inglaterra (Church of England) tem sua origem remota em Henrique VIII, rei inglês do século XVI, o qual, desejoso de se divorciar e não obtendo o consentimento do tribunal eclesiástico romano, provocou um cisma de proporções gigantescas. A quase totalidade dos bispos, padres e leigos seguiram-no na insubmissão, uns poucos foram martirizados.
    Após a morte do rei, seus sucessores - à exceção da Rainha Maria - conduziram a Igreja na Inglaterra do cisma à heresia protestante. A Igreja católica que existia nas Ilhas Britânicas deu lugar à Igreja da Inglaterra. Alguns poucos católicos continuaram a praticar sua fé às escondidas e sob forte perseguição até a Lei de Emancipação Católica (1832) e restauração da hierarquia (1850).
    Também no século XIX, surgiram dois grandes movimentos que viriam a determinar as relações entre a Igreja Católica e a Igreja da Inglaterra: o movimento de Oxford e o movimento ecumênico. O primeiro, surgido no interior do anglicanismo, procurava restaurar os elementos católicos do culto e dar uma interpretação ortodoxa às fórmulas confessionais anglicanas. O segundo, visto a princípio com suspeição pelas autoridades católicas, buscava eliminar as divisões e realizar a união de católicos e anglicanos.
    Um problema, entretanto, se colocou na medida em que o movimento de Oxford deu os primeiros convertidos à Igreja Católica e o movimento ecumênico passou a tratar de questões teológicas: as ordens anglicanas.
    O Papa Leão XIII constituiu uma comissão para tratar do assunto e, concluído o estudo, o mesmo pontífice decretou a nulidade das ordens anglicanas através da bula Apostolicae Curae (18/09/1896). A decisão se baseou na deficiência de intenção e de forma. Desde então, os clérigos anglicanos que se convertem à fé católica são ordenados incondicionalmente.
    Os anglicanos, embora inconformados com a decisão romana, procuraram corrigir seus ordinais e convidar bispos veterocatólicos - cuja ordenação fosse indisputada - para tomar parte em suas ordenações. Assim, há quem argumente que muitos clérigos anglicanos tenham sido validamente ordenados nos anos subsequentes. Mas como em assunto de tamanha importância não pode haver dúvidas, a Igreja Católica ordena incondicionalmente os clérigos convertidos.
    O Papa Bento XVI, através da Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus, inaugurou uma nova era no movimento ecumênico ao permitir que os convertidos do anglicanismo sejam recebidos corporativamente na Igreja Católica. Ainda que a conversão seja pessoal, os grupos de anglicanos que se convertem podem agora ser recebidos numa realidade canônica que preserva alguns elementos da tradição anglicana: o Ordinariato.
    O Ordinariato é um tipo de diocese, com clero e fiéis, governado por um Ordinário. Ele se organiza como qualquer outra diocese, erigindo paróquias, ordenando padres, instituindo seminários, institutos religiosos, etc. O Ordinário é um bispo ou um padre, nomeado pelo Papa, e que governa a circunscrição em nome do Santo Padre.
    O Ordinariato Pessoal de Nossa Senhora de Walshingham foi erigido em 15 de janeiro de 2011 pelo Papa Bento XVI e o Rev. Keith Newton foi nomeado seu primeiro Ordinário.
    Keith Newton fora bispo anglicano sufragâneo da diocese de Cantuária. Renunciou ao ofício e foi recebido, juntamente com sua esposa e dois outros ex-bispos anglicanos, na Igreja Católica no dia 1º de janeiro do corrente ano, ordenado diácono no dia 13 e sacerdote católico no dia 15 do mesmo mês. Sendo casado, o novo ordinário não será ordenado bispo católico. Poderá, entretanto, conforme as normas complementares da Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus usar as insígnias episcopais, ou seja: mitra, báculo, anel e cruz peitoral. Também os abades beneditinos, que não são bispos, usam as mesmas insígnias.
Monsenhor Keith Newton, apelativo que se dá aos ordinários, inclusive simples vigários-gerais, será membro pleno da Conferência dos Bispos da Inglaterra e de Gales. "
    Seguem abaixo fotos retiradas do blog salvem a liturgia:






    Para maiores informações sobre os Anglicanos, clique aqui

sábado, 15 de janeiro de 2011

"Nhá Chica", nova Serva de Deus brasileira

    Francisca de Paula de Jesus, leiga, chamada de "Nhá Chica", nascida em São João Del-Rei MG em 1810, e falecida em Baependi-MG em 1895.O decreto sobre suas virtudes heróicas foi promulgado juntamente com o do papa João Paulo II, mostrando como a realidade da santidade na igreja atinge todas as realidades: ela, mulher,brasileira,leiga e analfabeta; e ele, homem, polonês, Papa e com doutorado em filosofia. Abaixo um breve resumo da história desta nova Serva de Deus,retirado do site da Associação responsável por sua obra:
    "Em 1818, quando a pequena Francisca, tinha apenas 10 anos de idade, a mãe passou desta vida para a outra, deixando aos cuidados de Deus e da Virgem Maria aquelas duas crianças, de 10 anos Nhá Chica e, de 12 o Teotônio. Órfãos de mãe, sozinhos no mundo, aqueles meninos cresceram sob os cuidados e a proteção de Nossa Senhora, que pouco a pouco foi conquistando o coração de Nhá Chica. Esta, a chamava carinhosamente de “Minha Sinhá” que quer dizer: “Minha Senhora”, e nada fazia sem primeiro consultá-la.
    Nhá Chica soube administrar muito bem e fazer prosperar a herança espiritual que recebera da mãe. Nunca se casou. Rejeitou com liberdade a todas as propostas de casamento que lhes apareceram. Foi toda do Senhor. Se dava bem com os pobres, ricos e com os mais necessitados. Atendia a todos os que a procuravam, sem discriminar ninguém e, para todos tinha uma palavra de conforto, um conselho ou uma promessa de oração. Ainda muito jovem, era procurada para dar conselhos, fazer orações e dar sugestões para pessoas que lidavam com negócio. Muitos, não tomavam decisões sem primeiro consultá-la, e para tantas pessoas, ela era considerada uma “santa”, todavia em resposta para quem quis saber quem ela, realmente, era, respondeu com tranquilidade: “... É porque eu rezo com fé.“
    Sua fama de santidade foi se espalhando de tal modo que pessoas de muito longe começaram a frequentar Baependi para conhecê-la, conversa com ela, falar-lhe de suas dores e necessidades e, sobretudo para pedir-lhe orações. A todos, atendia com a mesma paciência e dedicação, mas nas sextas feiras, não atendia a ninguém. Era o dia em que lavava as próprias roupas e se dedicava mais à oração e à penitência. Isso porque sexta-feira é o dia que se recorda a Paixão e a Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo para a salvação de todos nós. Às Três horas da tarde, intensificava suas orações e mantinha uma particular veneração à Virgem da Conceição, com a qual tratava familiarmente como a uma amiga..."
Para ver a continuação deste texto, clique aqui.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Beatificação de João Paulo II


Conforme o Blog Oblatvs, o Papa João Paulo II será beatificado no dia 1º de maio deste Ano. Não obstante o costume introduzido pelo atual Pontífice – de não presidir beatificações e só canonizações – ele próprio presidirá a Beatificação de seu predecessor na Praça de São Pedro em 1º de maio de 2011, II Domingo de Páscoa.
Com certeza será uma das beatificações mais esperadas destes últimos tempos:  que deve ter uma grande participação de fiéis e forte repercussão mundial.
Ainda segundo o Blog Oblatvs : “O Papa Bento XVI recebeu em audiência o Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos e, no curso da mesma, autorizou-o a promulgar o Decreto relativo a um milagre atribuído à intercessão do Venerável Servo de Deus João Paulo II (Karol Wojtyła).”
Se para toda Igreja é uma grande alegria, maior ainda para os poloneses, que têm na figura de João Paulo II um símbolo de identidade nacional.
Ao ver esta notícia, vem a minha memória a oportunidade que tive de comungar das mãos de João Paulo II na missa celebrada por ele em 1997, no Rio de Janeiro, e assim agradecer a Deus esta grande oportunidade de ter recebido a Eucaristia das mãos do Romano Pontífice que será declarado Beato.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Visita do Padre Emilio Cesar a Goiânia


    Esteve conosco de 04 a 12 de janeiro, padre Emilio Cesar da Arquidiocese de Fortaleza. Ele é um grande amigo nosso, de longos anos. Nesta visita tivemos a oportunidade rezar e estudar juntos, diariamente, a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Verbum Domini, sobre a palavra de Deus na Igreja.
    Nestes dias de estudos, aprofundamos sobre a palavra de Deus que é o próprio Jesus, como é dito no prólogo do evangelho de João: “O verbo (Palavra) se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14) e como essa palavra se comunica conosco nos seus diversos meios.
   Também fomos à cidade de Trindade (GO), visitar a Basílica do Divino Pai Eterno, onde tivemos a oportunidade de rezar. Visitamos ainda a Igreja onde estão os restos mortais do servo de Deus Padre Pelágio, e por fim, fomos ao Carmelo de Trindade.
    Tivemos também momentos de lazer, especialmente no dia que visitamos a cidade de Pirenópolis, onde tivemos a oportunidade de fazer trilhas e conhecer várias cachoeiras.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Salvador tem novo Arcebispo


  O Papa Bento XVI nomeou Dom Murilo Krieger como o novo Arcebispo de Salvador, substituindo o Cardeal Dom Geraldo Majella, que já tinha atingido há dois anos a idade limite para sua renúncia (75 anos).
  Dom Murilo Krieger nasceu em Brusque (SC), em 19 de setembro de 1943. Foi ordenado presbítero da Congregação do Sagrado Coração em 1969 e sua nomeação episcopal aconteceu no dia 16 de fevereiro de 1985, como auxiliar de Florianópolis. Em 8 de maio de 1991 foi designado Bispo de Ponta Grossa. Em 7 de maio de 1997 foi transferido como Arcebispo de Maringá, Sede que assumiu em 11 de julho desse mesmo ano. Desde fevereiro de 2002, Dom Krieger esteve à frente da Arquidiocese de Florianópolis como arcebispo.
 Gostaria de expressar a minha gratidão  a Dom Geraldo por ter tido a oportunidade de conversar várias vezes com ele, podendo perceber a sua sabedoria e prudência. Gratidão de uma forma especial em relação ao Movimento da Transfiguração, sendo ele o primeiro Bispo a dar o seu acolhimento por escrito.
 Tenho muito viva na memória o dia em que tive uma audiência com Dom Geraldo sobre a realidade do Movimento em Salvador, que, devido a várias circunstâncias, estava sem poder reunir-se na Arquidiocese.  Seu acolhimento às minhas palavras e a simplicidade com que ele encaminhou a situação muito me impressionou.
  Peço a Deus que esteja cada vez mais presente na vida de Dom Geraldo.
Que o Senhor ilumine Dom Murilo na sua nova e grandiosa missão de estar à frente da grande Arquidiocese de Salvador, pela qual tenho um grande amor por ter morado duas vezes nesta maravilhosa cidade. 

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O Papa ajuda o Haiti


      O Papa Bento XVI enviou o cardeal Robert Sarah ao Haiti, país que, em 12 de janeiro de 2010, sofreu um terremoto que deixou 250 mil mortos e um milhão de desabrigados.
      O cardeal chegou à ilha caribenha ontem e permanecerá até a quinta-feira, 13 de janeiro, fazendo várias visitas, presidindo as celebrações e renovando o compromisso da Igreja na reconstrução do país.
     Em nome do Papa, o cardeal Sarah leva ajuda concreta procedente das oferendas recebidas para o terremoto: 800 mil dólares para a reconstrução de escolas e 400 mil dólares para a reconstrução das igrejas.
      Hoje no Haiti, um milhão de pessoas, incluindo 500 mil crianças, ainda vive em 1.200 abrigos temporários, em condições atrozes.
   Além disso, nos últimos meses, uma epidemia de cólera espalhou-se rapidamente em todas as regiões do país, causando 3.500 vítimas até agora.
      Nesta data (12 de Janeiro) completa-se um ano da morte de Zilda Arns neste terremoto. Zilda Arns fundou a Pastoral da criança em 1983, hoje presente em vinte países; só no Brasil, acompanha 1,8 milhões de crianças. Ela morreu quando proferia uma palestra em uma Igreja em Porto Príncipe. 

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O Santo Padre batizou 21 filhos de funcionários da Santa Sé

      O Papa batizou os filhos dos funcionários do Vaticano na belíssima Capela Sistina na solenidade do Batismo de Jesus neste ultimo Domingo.
       Veja as fotos abaixo retiradas do blog "Salvem a Liturgia":



quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Retorno de Bispos Anglicanos a Igreja Católica


    Em cerimônia celebrada na Catedral Westminster, sábado 1º de janeiro, os ex-bispos anglicanos: Andrew Burnham, John Broadhurst e Keith Newton, foram recebidos no seio da Igreja Católica. Os três ex-bispos serão ordenados diáconos no próximo dia 13 de janeiro; e dois dias depois, no dia 15, receberão a ordenação sacerdotal.
    Este retorno dos Bispos será seguido por padres, religiosos e leigos, dando assim a possibilidade da criação do Ordinariato, que acolherá os anglicanos que desejarem pertencer à Igreja Católica.
     Em novembro de 2009, o Papa Bento XVI publicou a constituição apostólica Anglicanorum Coetibus, na qual estabelece o modo como os anglicanos, que queiram ingressar na comunhão plena da Igreja Católica, possam fazê-lo.
    Rezemos para que cada vez mais este caminho de retorno dos Anglicanos a Igreja Católica possa acontecer com maior intensidade.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Arcebispo Brasileiro em Roma


     O Papa Bento XVI nomeou como prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica o atual Arcebispo de Brasília, Dom João Braz de Aviz. Dom João Braz de Aviz sucederá o cardeal Franc Rodé, de 76 anos, que pediu renúncia da função por atingir o limite de idade (75 anos), conforme prevê o cânon 401 § 1º do Código de Direito Canônico.
      A CNBB informa que o Arcebispo nasceu em Mafra (SC), em 24 de abril de 1947.
     “Após frequentar os estudos filosóficos no Seminário Maior Rainha dos Apóstolos, de Curitiba, e na Faculdade de Palmas (PR), completou os estudos teológicos em Roma, junto à Pontifícia Universidade Gregoriana, e foi laureado em Teologia Dogmática junto à Pontifícia Universidade Lateranense, em 1992” .
Foi ordenado sacerdote da Diocese de Apucarana (PR) em novembro de 1972 e nomeado Reitor do Seminário Maior de Apucarana e de Londrina e professor de Teologia Dogmática junto ao Instituto Paulo VI, em Londrina (PR). Foi também membro do Conselho presbiteral e do Colégio dos Consultores, bem como coordenador geral da pastoral diocesana de Apucarana.
     Em 6 de abril de 1994, foi nomeado bispo auxiliar da arquidiocese de Vitória (ES). Foi também Bispo de Ponta Grossa (PR) e Arcebispo de Maringá (PR). Em 28 de janeiro de 2004 foi nomeado Arcebispo de Brasília.
    Desta forma, o Brasil terá um Cardeal em Roma como Prefeito para de uma Congregação. Desde a saída de Dom Cláudio Humes  como Prefeito para o clero, não havia a presença de brasileiros na Cúria romana.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Atentado em Igreja no Egito


Cairo, 1° jan (RV) - Uma bomba explodiu  na frente de uma igreja copta no bairro Sidi Bishr, em Alexandria, no Egito, deixando 21 mortos e 41 feridos.
Cerca de mil cristãos foram participar da missa de ano novo na igreja. Os fiéis estavam saindo do templo quando a bomba explodiu cerca de meia hora depois da meia-noite. O atentado, que ainda não foi reivindicado, aconteceu depois das ameaças expressas em novembro passado pela ala iraquiana de Al Qaeda que, depois de reivindicar o ataque ocorrido em Bagdá, contra a igreja sírio-católica, ameaçou a comunidade copta egípcia.
O Ministério do Interior egípcio impôs severas medidas de segurança ao redor de todas as igrejas e redobrou a presença de policiais.
Al Azhar, a maior autoridade do Islã sunita, condenou o atentado de Alexandria, e o presidente egípcio, Hosni Mubarak, convidou "egípcios, coptas e muçulmanos a conservarem sua unidade diante das forças terroristas que ameaçam a estabilidade do país e sua unidade". (MJ)
Notícia retirada da Rádio Vaticano.